Páginas

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Jô por Acaso #14: O valor da chave do diário

Continuo a apreciar os diários, embora quase ninguém lembre da existência destes cadernos hoje. Como também acredito na típica frase popular de Mais vale um exemplo que mil conselhos que para mim continua valendo e permanecerá atual e importante para todo o sempre!

Sou do tempo que as meninas recebiam de presente um caderno todo bonitinho denominado diário para escrever sobre seus dias. O meu tinha cadeado, chave e até um espaço na folha decorada, na parte superior, para escrever a data e o local, era um verdadeiro luxo! E nós escrevíamos no diário, guardávamos embaixo do travesseiro porque normalmente escrevíamos a noite e carregávamos sempre a chave conosco para não correr o risco de alguém, pais ou irmãos lessem e descobrissem nossos mais íntimos segredos, que nada mais eram do que o amor pelo Joãozinho, a raiva da Mariazinha, que também era vidrada no tal Joãozinho, a desgraçada da professora de Geografia, a assustadora prova de Matemática, enfim estas complexidades que fazem parte da vida de todas as meninas e que, em algum momento da vida, a gente acredita ser exclusiva.

Não sei se ainda existem diários para vender, acredito que ainda tenha por aí perdido algum da Barbie para as meninas de até oito anos, é bom porque exercita a escrita, a grafia das letras, no momento da alfabetizando, porque depois dos nove, já devem estar todas nas redes sociais, algumas inclusive antes disto, sem nem sequer terem passado pela fase do diário. Lamentável!

Explico o porquê do lamentável, porque a vida logo deixa de ser privada, para tornar-se explícita no facebook, tumbler, twitter, orkut, etc. Há um desejo de exposição exacerbada, tem gente que só falta postar no facebook, por exemplo, que vai soltar um pum naquele momento. Desnecessárias postagens. Há outros que curtem o que eles próprios postaram, algum psicólogo deveria avaliar, será baixa estima, insegurança ou amor próprio em excesso? Falta carregar a chave do diário no bolso, falta dar valor para a vida privada!

E o exemplo continua valendo mais que mil conselhos este ditado vai para o Rei Juan Carlos da Espanha. A indignação mundial diante da notícia do rei caçando elefantes em Botsuana na África é legítima e contagiante. O rei Juan Carlos é presidente de honra em seu país da WWF, uma das maiores ONGs ambientalistas do mundo. Um líder deve recordar de sua função social, não pode esquecer, por nenhum segundo, que deve ser modelo para sua nação e não motivo de chacota ou vergonha. Tá certo que o rei caiu e quebrou a bacia, durante a caça, mais isto é apenas um detalhe. O rei exerce uma liderança em seu país que aliás não tem passado por um bom momento econômico, o desemprego cresce a cada dia, a Espanha literalmente despencando e o rei alegremente caçando.

Saudades dos tempos em que se escrevia em diário e se acreditava no exemplo mais do que em mil conselhos!!!!!

---
Este é um post especial do TCHÊcnologia publicado toda quarta-feira, às 22h, na seção Jô por Acaso, editada por Joselma Noal.
Web Analytics