Páginas

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Panorama #2: Busologia: pois os ônibus também têm seus admiradores!

Grupo encontra na fotografia e análise de modelos um novo tipo de passatempo


Roberto Biluczyk

Foto: Roberto Biluczyk
A propaganda de uma famosa marca se atreve a dizer que todo brasileiro é apaixonado por carro. De fato, o nosso povo tem toda uma admiração especial por veículos automotores. Pelo país, vários centros de exposição apresentam desde Fuscas a Ferraris, desde veículos de antigas décadas a modelos mais recentes. Nas ruas, um constante desfile de veículos aumenta ainda mais a diversidade. O carro vem se tornando democrático e mais acessível às classes. Porém nem tudo é perfeito. Os motores alimentados a petróleo são de grande preocupação aos ambientalistas. E a quantidade de carros em ruas estreitas e despreparadas, o incômodo de prefeitos e secretários de trânsito.

Quem usa o carro diariamente afirma que o conforto é fundamental. Em meio a eles, bicicletas buscam um lugar ao sol. Ciclistas realizam manifestações pró-mudanças no perfil do motorista. Perto de todas essas conhecidas correntes, há uma que merece maior destaque do que costuma ganhar: os entusiastas do transporte público. Mais especificamente do ônibus.

O primeiro modelo de ônibus usava motor a explosão. Criado em 1895 por Karl Benz, logo ganhou popularidade devido à praticidade de transporte coletivo. Com 5cv, alcançava míseros 15km/h, era movido à gasolina e levava oito passageiros. Hoje, com a evolução do veículo, as viagens tornaram-se cada vez mais confortáveis e acessíveis.

Foto: Roberto Biluczyk
Não só os benefícios e vantagens dos coletivos destacam os adeptos da busologia, o estudo dos ônibus. Os busólogos, geralmente por hobby, aprofundam seus conhecimentos sobre o veículo da mesma forma que os fãs de carros e motos. Desde chassi a carroceria, passando por detalhes da pintura e características externas e internas. Nada escapa ao olhar dos apaixonados por ônibus. Os arquivos dessas pessoas costumam abrigar fotos de veículos já retirados de circulação há muito tempo e novos modelos surgidos no mercado e comprados pelas viações.

Estima-se cerca de dez mil adeptos do passatempo em todo o Brasil. Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, também têm representantes do movimento. João Henrique Zöehler Lemos é um deles. "É um gosto que vem desde a infância. Meu avô era vizinho de um motorista e no quintal desse vizinho eram guardados alguns ônibus que faziam linhas na região" relata o busólogo. "Eu achava interessante, comecei a observar linhas e pinturas. E daí surgiu o gosto por ônibus", salienta.

Hoje, o estudante dedica parte de seu tempo à análise e à fotografia dos veículos e ao abastecimento de seu blog. Evidentemente, o assunto de sua página não poderia ser outro senão ônibus. João Henrique participa regularmente de eventos, onde busólogos de todas as partes do país visitam Passo Fundo, Carazinho, Erechim e região a fim de fotografar os veículos urbanos e rodoviários.
Foto: Arquivo Pessoal - João Henrique

Dedicado a seu hobby, João Henrique possui hoje em seu acervo cerca de dez mil fotos de autoria própria. Ele também possui panfletos, cartazes, capas para passagem, canetas, miniaturas, entre outros brindes dados pelas empresas. Ainda não lhe foi possível visitar uma linha de montagem, mas espera um dia ver pessoalmente como é o processo de fabricação.

Quer saber mais sobre a busologia e ver parte do acervo fotográfico de João Henrique? Acesse: http://www.buspf.com

--

Na próxima edição: Novelas mexicanas no Brasil.

--

Este texto é parte de um projeto especial de 8 edições dentro do TCHÊcnologia produzido por Roberto Biluczyk (@RobertoBil), estudante de Comunicação Social (Hab. em Jornalismo) pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Confira outros textos da coluna Panorama quinzenalmente às quintas-feiras.
Web Analytics