Páginas

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Jô por Acaso #1: Sopros de vida

Ao saber da minha estréia no TCHÊcnologia datada para 2/11, fiquei preocupada sobre o assunto a ser abordado nesta primeira coluna.

Dia dois de novembro, Día de los Muertos no México, é data de festa e alegria, diferentemente do Brasil.

E México sempre me lembra arte, além do guacamole e da pimentinha esperta (como comilona convicta que sou), e, entre os artistas mexicanos, me lembro, em especial, de Frida Kahlo.

E justo lendo o jornal, 30/10, encontro uma notícia interessante, que também me fez lembrar Frida Kahlo, ai vai:

Natã Farias, um menino de treze anos, de São José do Norte, após superar uma doença rara, Anemia de Fanconi, realiza exposição no Centro Municipal de Cultura de Rio Grande com os desenhos feitos no hospital. A mostra é o resultado de uma história de luta contra uma enfermidade, que, segundo pesquisa, leva à morte de 80% dos pacientes atingidos por ela.

Frida Kahlo, como Natã, também começou a pintar em um leito de hospital, deitada e sem poder mover-se, com um cavalete, uma tela, muitas tintas e um espelho no teto, Frida pintou a si mesma. Da dor nasceu uma artista de talento incomparável!

Como bem disse Frida: El arte más poderoso de la vida es hacer del dolor un talismán que cura, una mariposa renace florecida en fiesta de colores. Ou, na minha livre tradução: A arte mais poderosa da vida é transformar a dor em um talismã que cura, uma borboleta renasce florida em uma festa de cores.

E tanta gente a se queixar da vida, sem nada fazer para superar pequenos incômodos cotidianos, nos miremos, portanto, neste dois exemplos de vida, que apesar do distanciamento temporal (cerca de cinquenta anos), tanto se aproximam.

A arte permanece e permanecerá sempre a salvar vidas, ajudando a superar a dor, a compreender o mundo e a organizar o caos interno. E isto se dá tanto para o artista, como para o seu público. Tanto aquele que produz arte, como aquele que a consome, ambos podem ser salvos por ela, basta deixar-se tocar, permitir-se sensibilizar.

Esta coluna buscará sempre oferecer aos leitores um sopro de vida, seja por meio de reflexão ou da crítica.

Muito prazer e até a próxima quarta!

---
Este é um post especial do TCHÊcnologia publicado toda quarta-feira, às 22h, na seção Jô por Acaso, editada por Joselma Noal.
Web Analytics