Páginas

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Buraco na camada de ozônio é 9º maior

Todos os anos, durante a primavera do hemisfério Sul, o buraco na camada de ozônio se expande.


Este ano, segundo dados coletados pela Nasa e pelo NOAA, a entidade americana que monitora oceanos e atmosfera, ele ficou bem maior do que o esperado – é o 9º maior já medido em 26 anos de monitoramento.


Em 2011, o buraco atingiu seu pico no dia 12 de setembro. Em comunicado, Paul Newman, da cientista chefe do centro Espacial Goddard, da NASA, explicou que as temperaturas mais frias do que a média na estratosfera causaram um rombo maior do que o esperado.

A camada de ozônio é uma proteção natural do planeta contra os raios nocivos, ultravioletas, do Sol. Sua destruição aumenta o risco de problemas causados pela radiação, como câncer de pele.

Desde 1987, a maioria dos países se comprometeu, com a assinatura do Protocolo de Montreal, a eliminar o uso de agentes químicos destruidores do ozônio. Segundo os cientistas, embora haja um declínio no número desses produtos, uma grande quantidade ainda é liberada anualmente – e os produtos permanecem por décadas na atmosfera.

Segundo estimativas, o ozônio poderia voltar à sua quantidade normal até meados deste século, mas o buraco levaria mais 20 anos para se recompor.

Fonte: Info
Web Analytics